A importância de se repensar a Estrutura Organizacional

Uma série de questões vêm batendo à porta de algumas empresas juniores e as fazendo repensar dois dos três famosos pilares do MEJ: o aprendizado por projetos e o aprendizado por gestão. Nem sempre a estrutura organizacional utilizada por uma EJ vai atender às necessidades de produção que ela possui, algo que reflete diretamente nos projetos executados.

Pensando nisso, a Colucci Consultoria Jurídica Júnior, por exemplo, iniciou uma série de discussões dentro da empresa que levaram os membros a avaliar a estrutura interna e de que forma esta impactava na execução de seus projetos. “Percebemos que estávamos alocando pouca gente para projetos e muita gente para gestão, sendo que não tinha essa necessidade toda. Achamos que a estrutura antiga poderia ser muito didática, mas era completamente fora da realidade de qualquer empresa no mercado”, conta o Diretor de Projetos da Colucci, Giovanni Ignacchitti.

Após chegarem a essa conclusão, era hora de colocarem a casa em ordem. Das sete diretorias que existiam antes, apenas três permaneceram (enquanto outras se tornaram gerências): a Presidência, que representa a Colucci perante todos os stakeholders, a Vice-Presidência, que é responsável pela gestão interna – incluindo gerências nas áreas administrativo-financeira e de gestão de pessoas -, e Projetos, que assume toda a venda e execução dos projetos que entram na empresa.

Para Giovanni, a mudança tem sido muito positiva, principalmente para o desenvolvimento dos membros: “O aprendizado por projetos a gente acabou de revolucionar com essa nova estrutura. Antes poucas pessoas faziam projetos e hoje existem três pessoas que não estão fazendo. O aprendizado por projetos passou de algo em torno de 20% da empresa para 90%”.

A nova estrutura organizacional também refletiu no número de projetos executados, já que quase toda a empresa voltou seus esforços para essa área. Mas isso não impede que alguns consultores ajudem em outras áreas quando necessário. Durante o processo seletivo, por exemplo, outros membros podem ajudar Gestão de Pessoas, principalmente por se tratar de uma época mais agitada dentro da EJ.

A decisão de mudar a estrutura organizacional não veio só da identificação de necessidades relacionadas aos projetos, mas também do modo como a empresa passou a enxergar o aprendizado por gestão naquele momento. Como inspiração, tiveram algumas empresas que realizaram a mesma mudança, além do auxílio do programa Desenvolve Minas. Mas a motivação que gerou resultados tão positivos veio de dentro, com a participação intensa dos próprios membros e a vontade de impactar o futuro da empresa.

Por Isabel Senna
Assessora de Conteúdo

Fonte: Mare Vermelha